25 de fev. de 2020

Disciplina MESTRADO História das Religiões Afro-Brasileiras - Textos

Textos da Disciplina "Processo de Formação do Campo Religioso Afro-Brasileiro: dos Candomblés à Umbanda", do Mestrado em História da UEG, Campus Morrinhos (PPGHIS-UEG).

Ementa: Analisar o longo processo de formação das principais religiões de origem africana que surgiram no Brasil. Primeiramente pretende-se explorar os traços das religiosidades dos povos africanos que para aqui foram trazidos como escravos, provenientes das culturas Banto, Jeje e Iorubás, e que começaram a se manifestar no período colonial (séc. XVII e XVIII) em práticas híbridas como as bolsas de mandingas, os calundus e a feitiçaria negra. A seguir passaremos à análise do processo de formação dos primeiros candomblés da Bahia no século XIX e do Tambor de Mina no Maranhão, suas características e sua luta contra a repressão da Igreja e do Estado. Por fim, estudaremos como este conjunto de religiosidades chegou ao Rio de Janeiro, formando as práticas religiosas que ficaram popularmente conhecidas na época como “macumbas” ou “baixo espiritismo”, devido à influência do espiritismo francês. Do seio destas práticas houve o surgimento, no início do século XX, da Umbanda, uma nova forma de religião híbrida. Para finalizar abordaremos ainda como estas religiões resistem até os dias atuais, e como elas se inserem no mercado religioso no Brasil atualmente.

Disciplina História da África - Textos

Textos da disciplina de Temas de História da África, turma 3º Período do curso de História da UEG, Campus Morrinhos.

Ementa: Revisão crítica da historiografia relativa à temática em estudo. História da historiografia africana; Desenvolvimento das nações, dos impérios, dos Estados e do comércio na África; O impacto do Islã na África; A África antes dos europeus: diversidade e dinâmicas internas; Ideias e representações da África e dos africanos; Os tráficos negreiros e a diáspora negra Colonialismo e descolonização; Desafios da África contemporânea. Desenvolvimento de atividades de Prática Curricular direcionadas à transposição didática.

10 de abr. de 2019

Modelo de Publicação em Fluxo Contínuo para Periódicos (Ahead of Print)

No ano passado pudemos participar do 4º Encontro de Editores Científicos da UFG, ocorrido em novembro de 2018. Na ocasião tivemos uma palestra com o Prof. Abel L. Packer, Diretor do Programa SciELO / FAPESP sobre o "Cenário da Comunicação Científica no Brasil e no mundo". O professor explicou os novos rumos que o Scielo tem tomado para melhorar e agilizar a publicação de periódicos no país a partir dos novos modelos de publicação que os periódicos estão adotando. Desde o ano passado o Scielo tem implementado um novo modelo de publicação chamado "Ahead of Print", ou "Publicação em Fluxo Contínuo". Este sistema consiste na publicação de artigos tão logo eles tenham sido avaliados e aprovados pelos pareceristas, não sendo necessário esperar que o periódico lance uma edição para só então ter o artigo publicado. Gostaria de apresentar este novo modelo para vocês, que visa agilizar não só para os autores, que terão seus artigos disponibilizados de forma mais rápida, como também para os editores, que não terão o acúmulo de trabalho em apenas alguns períodos do ano para lançar suas edições.

11 de set. de 2018

I Mostra de Cinema: "Os diferentes espaços da Violência"


Dos dias 19 a 21 de Setembro se realizará, no Campus da Universidade Estadual de Goiás (UEG) de Porangatu, a I Mostra de Filmes, que tem por objetivo levar aos alunos da Universidade e também à toda a comunidade a sensação de assistir grandes clássicos do cinema, assim como promover o debate entre professores e estudantes presentes. A mostra ocorrerá no interior do VIII Congresso Acadêmico Científico desta Universidade, a se realizar em setembro, sempre no período da tarde. Neste ano a mostra traz ao seu público filmes que versam sobre a temática da violência, que é o tema central do Congresso. Os filmes selecionados, sob minha curadoria, procuram abordar a violência em vários eixos, sejam filosóficos, geopolíticos ou socioeconômico. Neste sentido, apresentamos três obras que acreditamos abranger todos estes aspectos e possibilitar uma discussão ampla a respeito do tema.

3 de ago. de 2018

A raiz autoritária do brasileiro


Vivemos tempos sombrios em que a defesa de regimes a práticas autoritárias se transformaram em senso comum pelos facebooks e grupos de whatsapp por aí. Cada vez mais temos visto a ascensão destes discursos no país, e em época de eleições isto se torna cada vez mais comum (e preocupante). Basta olharmos para as pesquisas eleitorais e percebermos que um dos principais candidatos a presidência do país defende torturador do regime militar e lança pérolas como "o erro da ditadura foi ter torturado e não matado". Na educação, a escalada das escolas militares demonstra a incapacidade de lidar com a juventude e a crença de que os problemas da escola só se resolvem com a polícia. No campo religioso, temos visto a tentativa por parte de determinados segmentos cristãos de pautar as políticas públicas em nome da fé, legislando a partir do que eles (e SÓ eles) consideram como a palavra de seu deus. 

23 de jul. de 2018

Não é só uma piada: o racismo nosso de cada dia

O período da Copa do Mundo trouxe muitas discussões à tona. Durante um mês inteiro pudemos debater sobre a decepção com os favoritos, sobre aulas de esquemas táticos, sobre polêmicas de arbitragem e especialmente o uso da tecnologia de vídeo para auxiliar os árbitros, entre outros. Mas não foi só o futebol que esteve na vitrine neste período. Outros assuntos sociais acabaram vindo à tona também durante este período, como por exemplo a questão dos filhos de imigrantes jogando nas seleções, especialmente na campeã seleção francesa, sobre as manifestações nacionalistas croatas, interpretadas por muitos como apoio ao regime nazista e sobre machismo e assédio às mulheres realizados na Rússia, especialmente com jornalistas que faziam seu trabalho. 

5 de jul. de 2018

O Círculo do Espetáculo: os limites da exposição nas redes sociais

O uso das redes sociais é uma constante em nossa vida, e tem influências diversas na sociedade atual. Refletir sobre o uso das redes se torna essencial para compreendermos não só como utilizá-las melhor e quais seus limites, mas até que ponto podemos ter nossos dados comprometidos ao nos expormos em demasia. Este é justamente o tema do filme O Círculo, lançado em 2017, e que procura abordar até que ponto nossa exposição nas redes sociais é positiva e que tipo de novas relações interpessoais estão nascendo de seu uso, tal qual preconizara o teórico francês Guy Debord na obra A Sociedade do Espetáculo, lançada em 1967, a respeito dos meios de comunicação em massa e sua relação com o capitalismo. 

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...